Astrid Betancourt acusa governo colombiano de incoerência

Agência AFP

BOGOTÁ - A irmã de Ingrid Betancourt, Astrid, denunciou neste sábado a "incoerência" do governo colombiano que "defende uma negociação mas intensifica a presença militar" nas áreas aonde a guerrilha das Farc mantém seus reféns.

O ex-marido de Ingrid Betancourt expressava, horas antes, seu medo de que a franco-colombiana, seqüestrada pelas Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) há seis anos, "esteja morta". Astrid afirmou que "não há nenhuma prova concreta" hoje em dia que permita "dizer que sua irmã esteja morta".

- O que mais me inquieta é a incoerência do governo colombiano - declarou ela à AFP.

Astrid Betancourt lançou também uma advertência à guerrilha marxista: 'Se algo acontecer com minha irmã, será o início do fim das Farc'.

- Peço à guerrilha, caso o estado de saúde de minha irmã piore, que entrem em contato com autoridades venezuelanas, francesas ou suíças - para que estas possam intervir, acrescentou.

Ingrid Betancourt, que sofre de hepatite B, "está muito doente e seu estado de saúde é extremamente crítico", declarou na última sexta-feira uma fonte oficial colombiana.