Ministro de Defesa colombiano fica honrado por insulto de Chávez

REUTERS

BOGOTÁ - O ministro de Defesa da Colômbia, Juan Manuel Santos, disse nesta sexta-feira que ficou honrado, e não ofendido, ao ser chamado de 'falcão da guerra' pelo presidente da Venezuela, Hugo Chávez.

O presidente venezuelano acusou Santos esta semana de criar obstáculos para a normalização das relações diplomáticas na região andina, depois da crise enfrentada por Caracas e Quito com Bogotá.

Chávez sugeriu discretamente ao presidente da Colômbia, Álvaro Uribe, que o demita.

- Nossos habituais contraditores nos honraram com seus insultos, me chamaram até de falcão da guerra, como se isso fosse uma ofensa - disse o ministro, em resposta a Chávez.

- Não tenho problemas em aceitar (...) sou e serei um falcão da guerra quando se tratar de uma guerra para defender meus compatriotas da violência - acrescentou, em discurso durante cerimônia das Forças Armadas.

Santos, que lidera a estratégia de segurança do governo de Uribe para combater as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), os paramilitares de ultradireita e o tráfico de drogas, tem sérias diferenças com o governo venezuelano desde antes de ser nomeado ministro.

Chávez também classificou o ministro de Defesa como uma ficha do Governo dos Estados Unidos, que apoia a luta da Colômbia contra o tráfico de drogas e a guerrilha.