Iraque: ONU alerta que população de Basra só tem água para dois dias

Agência EFE

GENEBRA - A população da província iraquiana de Basra, em meio aos confrontos entre o Exército e as milícias xiitas, conta com reservas de água para apenas dois dias, alertou hoje as Nações Unidas.

- Estamos muito preocupados com a degradação da situação humanitária em Basra. Devido ao toque de recolher, é impossível que os trabalhadores humanitários distribuam a ajuda de que os habitantes tanto precisam - disse a porta-voz do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), Veronique Taveau, à imprensa em Genebra.

Basra é a segunda cidade mais importante do Iraque, com uma população de 3,2 milhões de pessoas, da qual a metade é de crianças, segundo os dados desse organismo.

- O acesso à água potável é particularmente crítico. Estimamos que só restam reservas para dois dias - acrescentou Taveau, após dizer que a população não pode consumir a da torneira, devido à forte salinidade e à pobre qualidade.

Caso as pessoas consumam água da torneira, pode haver um aumento dramático dos casos de diarréia e outras doenças, particularmente entre as crianças. A Unicef tem reservas suficientes para ajudar a população de Basra, mas precisa de 'garantias' para sua distribuição, ressaltou a porta-voz, que sustentou que, por enquanto, 'é impossível que nossos colaboradores se desloquem para distribuir qualquer ajuda'.

O mesmo problema foi denunciado pelo Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV), que afirmou que 'o principal problema é se deslocar' e disse que, por enquanto, seus representantes no Iraque estão confinados em casa e no escritório. O porta-voz da Organização Internacional de Migrações (OIM), Jean-Phillipe Chauzy, anunciou que interrompeu suas atividades de ajuda aos deslocados em Basra, em outras províncias iraquianas e no distrito de Cidade de Sadr, em Bagdá, para onde se estendeu a recente escalada de violência.