Bangladesh condena curta-metragem crítico ao Islã de deputado holandês

Agência EFE

NOVA DÉLHI - O Governo de Bangladesh condenou nesta sexta-feira a difusão pela internet de um curta-metragem crítico ao Islã produzido por um parlamentar holandês, e assegurou que essa ação pode 'ter graves conseqüências'.

Um porta-voz do Ministério de Assuntos Exteriores bengalês, citado pela agência local 'UNB', advertiu que 'esta ação totalmente injustificada e absurda pode ter graves conseqüências, já que ofenderá milhões de muçulmanos de todo o mundo'.

O porta-voz acrescentou que ninguém pode aprovar um ato dessas características, e lembrou que o Executivo holandês lamentou publicamente a difusão do vídeo e se distanciou de seu conteúdo.

- O Islã é uma fé de paz que reza pela paciência e o entendimento. A mensagem do Corão foi fonte de esperança e inspiração para a Humanidade através dos séculos - ressaltou a fonte.

O primeiro-ministro holandês, Jan Peter Balkenende, lamentou ontem a difusão do curta-metragem do deputado Geert Wilders, e expressou a rejeição de seu Governo ao filme, na qual o parlamentar equipara o Islã ao terrorismo.

Wilders colocou ná quinta-feira na Internet seu curta-metragem, intitulado "Fitna' ("Caos' ou 'Enfrentamento', em árabe) sobre o Corão, no qual mostra imagens dos atentados terroristas em Nova York (2001), Madri (2004) e Londres (2005).