Tibete: Líder diz que Jogos de Pequim devem ser realizados

Agência EFE

BRUXELAS - O presidente do Parlamento tibetano no exílio, Karma Chophel, afirmou nesta quarta-feira que, apesar da repressão violenta dos protestos no Tibete, os Jogos Olímpicos de Pequim devem ser realizados para permitir a abertura da China.

- Caso a China se envolva cada vez mais nas atividades internacionais terá também que assumir as normas internacionais - declarou Chophel em uma entrevista coletiva no Parlamento da União Européia (UE), em Bruxelas.

Perguntado pela conveniência de os Estados do Ocidente boicotarem os Jogos ou, pelo menos, suas cerimônias de abertura e encerramento, disse que 'cada país deve decidir, segundo sua consciência, se participa ou não'.

A maior parte dos Estados-membros da UE já descartou a opção do boicote, apesar de o presidente da França, Nicolas Sarkozy, ter deixado ontem aberta a possibilidade de não participar das cerimônias de abertura e de encerramento.

Por outro lado, Chophel disse que a repressão da revolta iniciada no dia 10 de março deixou 'pelo menos' 135 mortos, mais de mil feridos e 400 detidos, embora tenha dito que o bloqueio das autoridades chinesas torna difícil obter informação confiável e que os números reais poderiam ser 'até dez vezes maiores'.

Chophel também pediu à comunidade internacional uma 'intervenção' para frear 'o assassinato de inocentes' pelo Exército Chinês.