Pergunta sobre Monica Lewinsky faz filha de Clinton repreender jovem

Agência EFE

WASHINGTON - Chelsea, a filha da pré-candidata democrata à Presidência dos Estados Unidos Hillary Clinton, respondeu rispidamente a um universitário que lhe fez uma pergunta sobre a ex-estagiária Monica Lewinsky, protagonista de um escândalo sexual envolvendo seu pai, o ex-presidente Bill Clinton.

- Você é a primeira pessoa que me pergunta isso nos cerca de 70 campi universitários que visitei, e, francamente, acho que este assunto não é da sua conta - disse a filha da senadora por Nova York quando questionada sobre os possíveis danos do caso à imagem de Hillary.

Chelsea, que virou um dos principais cabos eleitorais da pré-candidata, participava de um ato eleitoral na Universidade de Butler, em Indianápolis, quando o estudante Evan Stranger perguntou-lhe o que achava das críticas de que a forma como sua mãe enfrentou o escândalo Lewinsky indicaria 'fraqueza' e que não é uma pessoa 'suficientemente forte para ser presidente'.

Hoje, em declarações à rede de TV 'CBS', Stranger disse que é eleitor da senadora e que não fez a pergunta para provocar Chelsea.

O estudante afirmou que a questão tinha como objetivo dar à jovem a oportunidade de defender a mãe e explicar por que ela tem a força necessária para presidir os EUA.

Durante seu segundo mandato, Bill Clinton manteve uma relação extraconjugal com a então estagiária da Casa Branca Monica Lewinsky.

Antes de os detalhes do caso virem à tona, Hillary assegurou que as denúncias eram fruto de uma 'grande conspiração da direita'.