Olmert diz que está absolutamente decidido a alcançar acordo de paz

Agência EFE

JERUSALÉM - O primeiro-ministro israelense, Ehud Olmert, afirmou hoje que está 'absolutamente decidido' a alcançar, este ano, um acordo de paz com os palestinos, que, disse, é "o primeiro objetivo de meu Governo".

- Há empecilhos, mas não são insuperáveis. Nós queremos o acordo, os palestinos querem, e depende de nós. O acordo é possível - disse em entrevista coletiva com jornalistas estrangeiros credenciados em Jerusalém.

Olmert afirmou que tinha advertido sobre a construção de novas casas nos assentamentos judaicos em Jerusalém - que é a principal fonte de crítica a seu Governo - quando começou o atual processo negociador, na conferência de Annapolis (Estados Unidos), em dezembro de 2007.

- O presidente George W. Bush sabia, o presidente (da Autoridade Nacional Palestina) Mahmoud Abbas sabia, ninguém poderá dizer que não tínhamos avisado explicitamente - ressaltou.

O primeiro-ministro israelense explicou que essas casas respondem ao crescimento natural por nascimentos nos assentamentos, e rejeitou que sejam novas colônias.

Ele antecipou que a paralisação da construção nos assentamentos deve ser "a conseqüência" de um eventual acordo com os palestinos, e deu a entender que, durante a negociação, prosseguirá o crescimento dos já existentes.

- Todos temos desculpas para interromper a negociação - ressaltou, em referência às críticas da ANP de Abbas à construção nos assentamentos, e aos ataques dos milicianos palestinos de Gaza contra território israelense.

- O importante é que essas desculpas não detenham nossos esforços para alcançar um entendimento - precisou Olmert, que também destacou que, uma vez que for obtido o acordo, "nós e eles seguiremos o Mapa de Caminho", que exige a paralisação dos assentamentos judaicos e o fim da violência palestina.

O chefe do Governo israelense negou que sejam "vazias" as conversas que mantém com Abbas, que qualificou de "sérias" e sobre as quais disse que "muitos detalhes a imprensa não conhece, felizmente".

- Neste tipo de negociações, é necessário que não se conheçam todos os detalhes para poder avançar - defendeu.

Olmert expressou seu desejo de se reunir de novo com Abbas "o mais rápido possível", e ressaltou que, "quanto mais nos vermos, mais possibilidades teremos de conseguir nosso objetivo", fixado em Annapolis, de estabelecer as bases até o final do ano de um acordo para a criação de um Estado palestino em paz junto ao de Israel.

- Estou otimista - destacou o primeiro-ministro israelense, após expressar sua confiança em que o eventual acordo torne 2008 - quando se completa o 60º aniversário de criação do Estado de Israel - "um ano mais feliz do que foram os últimos 59".