McCain: Relações de EUA e América Latina devem ser de respeito

Agência EFE

WASHINGTON - O candidato presidencial republicano, John McCain, afirmou hoje que as relações entre Estados Unidos e América Latina devem ser guiadas pelo 'respeito mútuo', e não por "um impulso imperialista ou uma demagogia antiamericana". As declarações fazem parte de um discurso pronunciado pelo senador do Arizona no World Affairs Council, um centro de estudos de Los Angeles, onde abordou com detalhe sua visão sobre o futuro da política externa americana.

O aspirante à Casa Branca insistiu em que essa política deve se basear em uma maior colaboração com os países aliados e no respeito por parte dos Estados Unidos dos direitos que são a base de sua sociedade.

- Os EUA devem ser um cidadão exemplar se queremos que os demais nos vejam como um modelo - afirmou, segundo o texto do discurso distribuído por sua campanha.

O candidato à Presidência americana insistiu em que os países latino-americanos são 'nossos firmes e velhos aliados, unidos pela história e a experiência e por nossa determinação de avançar os valores da civilização americana'. Ele afirmou que a América Latina é cada vez 'mais vital' para os EUA e lembrou que a região, da mesma forma que o Canadá, é uma aliada natural para o país.

McCain acrescentou que as Américas 'podem e devem' de ser um modelo para as novas relações do século XXI entre Norte e Sul.

- O nosso pode ser o primeiro hemisfério completamente democrático, no qual o comércio é livre, onde o estado de direito e o poder do livre mercado impulsionam a segurança e a prosperidade para todos - destacou.