Argentinos fazem 'panelaço' pela segunda noite consecutiva

Agência EFE

BUENOS AIRES - Moradores de diferentes bairros de Buenos Aires voltaram a bater panelas e frigideiras para protestar contra o Governo argentino e apoiar os produtores agropecuários em greve há duas semanas.

Como aconteceu na noite de terça-feira, o 'panelaço' começou nesta quarta-feira, em áreas residenciais da capital argentina, como Recoleta, Barrio Norte e Belgrano, enquanto manifestações semelhantes ocorriam no interior do país. A convocação foi feita durante a tarde, através de mensagens de e-mail e de telefones celulares.

Na Praça de Maio de Buenos Aires, situada em frente à Casa de Governo e onde, na terça-feira, milhares de pessoas se reuniram, no início da noite dezenas de manifestantes já haviam se concentrado.

A greve foi convocada pelas quatro principais entidades agropecuárias do país, em rejeição ao aumento dos impostos para as exportações de produtos do campo imposto no início deste mês pelo Executivo.

O protesto foi acompanhado por bloqueios de estradas que impedem o transporte de alimentos, o que provocou desabastecimento de alguns produtos básicos em Buenos Aires e outras cidades da Argentina.

O conflito se agravou depois que, na terça-feira, a presidente do país, Cristina Fernández, advertiu de que não cederá à 'extorsão' dos produtores agropecuários, o que gerou a reação popular.