Clérigo xiita pede que conflito em Basra seja solucionado com diálogo

Agência EFE

BAGDÁ - O clérigo radical xiita iraquiano Moqtada al-Sadr, que lidera a milícia 'Exército Mehdi', convidou hoje a resolver, por meio da imprensa pacífica, o conflito que desde a noite de ontem vive na cidade de Basra, 580 quilômetros ao sul de Bagdá. Pelo menos 18 pessoas morreram desde a noite de ontem na cidade em duros confrontos entre tropas iraquianas e milicianos xiitas, informaram hoje fontes médicas de Basra.

O clérigo fez esta chamada em comunicado lido por um de seus ajudantes em entrevista coletiva realizada na cidade santa xiita de Najaf, a cerca de 160 quilômetros de Bagdá.

- Moqtada al-Sadr pede para solucionar o conflito por meio do diálogo e de forma pacífica, e com a intervenção de deputados e políticos - declarou Aarachi.

Neste contexto, disse que o líder xiita "rejeita o derramamento de sangue iraquiano, o que faz com que acompanhe a evolução dos episódios (em Basra)". Além disso, na nota Sadr responsabiliza o Governo iraquiano das conseqüências da "bárbara campanha que sofre Basra e outras regiões do país".

- Após as violações realizadas pelas forças de ocupação (da coalizão liderada pelos EUA) desde que entraram em nosso país, o Governo chegou a ultrapassar o cenário de sangue e marginalização - declarou.

Segundo ele, no Iraque foram cometidas "violações à dignidade das pessoas e torturas nas prisões, com o pretexto de aplicar a lei a todo aquele que se opõe à ocupação". Além disso, Sadr exortou os líderes políticos, os dignatários religiosos e civis, e o Parlamento do Iraque a intervirem diante do Governo para que "cesse a política de marginalização e retorne ao povo".