Argentinos protestam contra Cristina em apoio a agropecuários

Agência EFE

BUENOS AIRES - Centenas de pessoas saíram nesta terça-feira às ruas em Buenos Aires batendo panelas e frigideiras para apoiar o primeiro 'panelaço' contra a presidente argentina, Cristina Fernández de Kirchner, poucas horas depois de esta anunciar que não negociará com os produtores agropecuários.

Em zonas centrais da capital, como os bairros residenciais Barrio Norte e a Recoleta, centenas de moradores saíram às ruas e outros acompanharam o 'panelaço' de suas sacadas, fecharam o trânsito e gritaram palavras de ordem contra a governante.

Cristina, que acaba de completar seus primeiros cem dias de mandato, anunciou que não cederá à 'extorsão' dos produtores agropecuários, que ratificaram hoje sua intenção de manter o protesto iniciado há duas semanas contra o aumento dos impostos às exportações de grãos e à política governamental.

Dentro do país, milhares de produtores agropecuários apóiam as mobilizações convocadas pelas quatro patronais do setor com bloqueio de estradas e greves.

O 'panelaço' se tornou popular na Argentina como forma de protesto durante o colapso econômico e político no final de 2001 e em parte de 2002.

A última vez que se registrou um ato deste tipo em Buenos Aires foi em março do ano passado, quando milhares de moradores saíram às ruas, indignados, para protestar contra um gigantesco blecaute que se prolongou durante mais de 24 horas.