EUA dizem ter desmontado unidade de propaganda da Al Qaeda

REUTERS

BAGDÁ - O exército dos EUA disse no sábado ter obstruído a capacidade da Al Qaeda de recrutar novos membros no Iraque ao capturar ou matar muitas das pessoas que produzem vídeos utilizados para atrair jovens muçulmanos descontentes.

O porta-voz do exército Rear Admiral Greg Smith disse que no ano passado 39 membros da Al Qaeda no Iraque responsáveis por produzir e disseminar vídeos e outros materiais para milhares de websites na Internet haviam sido mortos ou capturados.

- O poder dessa informação é obvio. Esses caras estão usando material que é utilizado em outros websites para recrutar e arrecadar dinheiro - disse Smith à Reuters em uma entrevista.

- Nós achamos que a grande maioria dessa rede midiática foi degradada nesse ponto - afirmou, acrescentando que as prisões levaram à diminuição dos posts na Internet de decaptações da Al Qaeda, seqüestros e outros ataques no Iraque.

Autoridades de defesa dos EUA reclamaram no passado que os militares estavam perdendo a guerra de propaganda contra os militantes, que de maneira hábil exploravam instrumentos de comunicação como a Internet.

Smith disse que houve um grande declínio das transmissões de vídeo em 5.000 sites pro-Al Qaeda desde junho de 2007, coincidindo com a queda nos índices de violência no Iraque.

Em fevereiro, a inteligência dos EUA ao monitorar esses websites mostrou 34 novos posts de vídeos e áudios das redes iraquianas, contra 144 posts em junho de 2007.

- Aqueles responsáveis por produtos mais bem acabados, o pessoal que realmente chama a atenção em mesquitas e onde quer que seja, nós os detivemos - afirmou.

Não foi possível verificar o número comparativo de posts, alguns dos quais mostram ataques a soldados dos EUA e forças do Iraque, cuja autoria foi assumida pela Al Qaeda, além de materiais mostrando agressões a civis por essas forças.

O exército dos EUA dizem que enquanto os ataques ao redor do Iraque caíram 60 por cento desde o último mês de junho, a Al Qaeda segue como a maior ameaça à segurança do país.

A melhora na segurança foi atribuída ao aumento do contingente com 30 mil soldados extras completados naquele mês, e ao crescimento das unidades de segurança de bairro, depois que xeiques da etnia árabe sunita se voltaram contra a Al Qaeda.