EUA: chuva e neve matam 16 e desabrigam milhares

Agência EFE

WASHINGTON - As autoridades e habitantes do Missouri observavam neste sábado com preocupação o aumento do nível do rio Meramec ocasionado pelas intensas chuvas, que deixaram pelo menos 16 mortos e milhares de desabrigados no centro dos Estados Unidos, e esperam que um aterro construído com US$ 49 milhões contenha as águas.

Pelo menos 16 pessoas morreram por causa das fortes chuvas e das tempestades de neve que desde a metade de semana afetam a região central dos EUA - do Arkansas a Ohio, e do norte do Texas a Wisconsin.

Serviço Meteorológico Nacional afirmou que as tempestades de inverno tardias poderiam depositar hoje até 37 cm de neve em algumas regiões do Meio Oeste.

A previsão meteorológica anuncia mais chuvas e possíveis nevadas no Estado do Missouri, onde pelo menos 70 condados registraram inundações esta semana.

Além disso, a neve forçou o cancelamento de mais de 450 vôos e atrasou outros no Aeroporto Internacional Ou'Hare, de Chicago, que é um dos mais movimentados do mundo.

Em Valley Park, Missouri, ao sudoeste de St. Louis, grupos de operários e voluntários amontoaram bolsas de areia ao longo do aterro construído pelo Corpo de Engenheiros do Exército, enquanto as águas do rio Meramec continuavam subindo.

As autoridades acham que esta tarde a enchente poderia chegar a 12 m, isto é 7 m acima da linha de inundação.

Mais de 40 mil pessoas foram evacuadas de suas casas nos arredores do Meramec, e as autoridades indicaram que pode demorar semanas para que o rio volte a seu curso normal.

Os destacamentos do Serviço de guarda-costeira usaram pequenas pontes e botes para resgatar de suas casas dezenas de residentes afetados pela inundação.

Em Illinois a advertência de tempestade de inverno foi mantida hoje, depois que a acumulação de neve chegou a 30 cm em alguns subúrbios do norte de Chicago.

No Condado Lake, durante a noite, a precipitação chegou a registrar um ritmo de 5 cm por hora.

Na área de Chicago foram registradas hoje chuvas com neve, mas Casey Sullivan, do Serviço Meteorológico Nacional, apontou que provavelmente as condições melhorarão ao anoitecer.

Karen Pride, do Departamento de Aviação de Illinois, disse que as companhias aéreas "têm a esperança de que os horários de vôos retornarão ao normal" antes do fim do dia.

Os residentes da área de Madison, em Wisconsin, saíam hoje de baixo de um manto de neve que atingiu 2,54 m na estação, em um dos invernos mais rigorosos de que se tem notícia.

O Aeroporto Regional do Condado Dane também sofreu precipitações de neve de 17 cm durante a noite que permaneceram essa manhã de forma mais amena.

Steve Davis, do Serviço Meteorológico Nacional em Wisconsin, afirmou que ainda virá "mais neve na temporada", já que um sistema de baixa pressão se movimenta a partir das planícies centrais para o leste.

As centenas de residentes de localidades sobre o rio Arkansas passaram esta sexta-feira e sábado amontoando bolsas de areia e levantando aterros, enquanto as águas do rio continuavam subindo.

O governador Mike Beebe, que declarou estado de calamidade em 25 condados de Arkansas, realizou inspeções das áreas afetadas em um helicóptero militar.

Durante uma escala no condado Jackson, onde até os presos se incluíram entre os voluntários para reforçar um muro de concreto e um aterro que apresentava brechas, Beebe disse que nunca tinha visto "um desastre desta magnitude".