China reconhece morte de 18 civis e um policial no Tibet

Agência EFE

PEQUIM - Dezoito civis e um policial morreram nos distúrbios ocorridos na capital tibetana, Lhasa, na semana passada, segundo o último número oficial divulgado neste sábado, que acrescenta seis mortos aos confirmados até agora.

Os dados oficiais chineses contrastam mais uma vez com os oferecidos pelo Governo tibetano no exílio, que fala de 99 tibetanos mortos, 80 em Lhasa e 19 baleados pela Polícia na província de Gansu.

Segundo divulga neste sábado a agência oficial 'Xinhua', 241 oficiais da Polícia ficaram feridos nos distúrbios, 23 deles em estado grave.

Os distúrbios deixaram também 382 civis feridos, dos quais 58 estão em estado grave, acrescentou a agência, que recolhe um comunicado divulgado ontem à noite pela administração tibetana.

A versão oficial chinesa diz também que os manifestantes atearam fogo a sete escolas, cinco hospitais, 120 casas e 84 veículos, além de saquear 908 lojas.

Até o momento, 183 pessoas se entregaram à Polícia chinesa por seu envolvimento nos protestos do último dia 14.