Sede do COI, na Suíça, expressa preocupação com a situação no Tibete

Agência EFE

BERNA - A ministra de Assuntos Exteriores da Suíça, Micheline Calmy-Rey, revelou ao Governo chinês sua preocupação pela situação no Tibete, ao mesmo tempo em que lamentou os danos sofridos recentemente por uma representação diplomática da China na Suíça.

Em carta a seu colega chinês, Yang Jiechi, Micheline comentou a "comoção" que provoca na população da Suíça a situação no Tibete, segundo disseram à agência de notícias suíça "ATS" fontes do Ministério de Exteriores.

Ontem, 150 deputados e 26 senadores suíços emitiram uma carta aberta na qual pediam ao Governo que se pronunciasse contra a "violência chinesa" no Tibete.

Também estimulavam o Comitê Olímpico Internacional (COI), que tem sede na localidade suíça de Lausanne, a intervir imediatamente para que Pequim respeite seus compromissos visando à realização dos Jogos Olímpicos deste ano.

Segundo declarações do porta-voz do Ministério de Assuntos Exteriores suíço, Jean-Philippe Jeannerat, a carta de Micheline a Yang Jiechi foi anterior ao pronunciamento dos legisladores.

Há alguns dias, alguns manifestantes lançaram pedras contra o edifício do consulado chinês em Zurique.