RSF pede que assassinato de jornalista russo seja esclarecido

Agência EFE

PARIS - A organização Repórteres sem Fronteiras (RSF) pediu hoje o esclarecimento do assassinato do correspondente Ilias Shurpayev, do 'Canal Um' da TV pública russa, e em particular se sua morte tem alguma relação com o desenvolvimento de seu trabalho.

- Pedimos às autoridades que apurem este assassinato, não descartem nenhuma pista, em particular sobre se houve relação com sua atividade profissional, levando em conta o arriscado que é o ofício de jornalista na Rússia - declarou a RSF em comunicado.

A organização lembrou que horas antes de seu assassinato, ocorrido nesta madrugada, o jornalista de 32 anos oriundo da república caucásica do Daguestão tinha colocado em seu blog uma mensagem na qual fazia alusão a 'um conflito entre a direção e os funcionários do jornal 'Nastoiashee Vremia''.

Shurpayev foi encontrado estrangulado e apunhalado no apartamento que alugava em Moscou, informou hoje a Polícia.

Os bombeiros que na madrugada desta sexta-feira responderam a um aviso de incêndio no leste de Moscou encontraram entre as chamas o corpo de Shurpayev 'com ferimentos de arma branca e um cinto no pescoço', disseram fontes policiais à agência de notícias "Interfax'.

- O jornalista mesmo permitiu a seus assassinos que entrassem em sua casa, pois pouco antes de começar o incêndio chamou a portaria para pedir que deixasse passar dois homens de aspecto caucásico - disse a fonte.

Acrescentou que, 'segundo os bombeiros, o incêndio foi provocado intencionalmente para ocultar as provas do crime', e que os legistas estabeleceram que o jornalista morreu por causa do estrangulamento.