China expulsa dois jornalistas do Tibet

Agência EFE

BERLIM - As autoridades chinesas expulsaram do Tibete dois jornalistas alemães, os dois últimos profissionais de imprensa estrangeiros que permaneciam na região desde que começaram as atuais revoltas.

Trata-se do correspondente do semanário 'Die Zeit' e o diário "Taz' Georg Blume e da colaboradora da revista austríaca 'Profil'

Kristin Kupfer.

Blume disse à agência alemã 'Dpa' em Pequim que a expulsão aconteceu depois que 'um alto funcionário ameaçou retirar a permissão de residência na China'.

Os dois jornalistas tinham ignorado durante vários dias as exigências da Polícia local de que saíssem do país, mas por fim, após a ameaça de serem expulsos não só do Tibete, mas da China, decidiram acatar as ordens.

- Foi dito a nós de forma muito intimidatória que, se não fóssemos embora, poderíamos ter problemas muito graves, também no que diz respeito a nossos vistos - disse Blume.

Antes, tinham sido expulsos de Lhasa o correspondente da revista britânica 'Economist' James Miles e vários jornalistas de Hong Kong.