Planos nucleares do Irã centram visita de Dick Cheney a Omã

Agência EFE

WASHINGTON - O vice-presidente dos Estados Unidos, Dick Cheney, que realiza viagem pelo Oriente Médio e pelo Golfo Pérsico, analisou hoje com o sultão de Omã, Qaboos bin Said, o atual estado da segurança nesta rica região petrolífera e os planos nucleares do Irã.

A agência de notícias omani "ONA" indicou que, durante a reunião, o sultão e Cheney "conversaram sobre a cooperação existente e as sólidas relações entre Estados Unidos e Omã".

No entanto, fontes americanas citadas pela imprensa local ressaltaram que a polêmica e a tensão no Golfo pelos planos nucleares iranianos foram o centro das conversas.

Apesar de serem próximos aliados dos EUA, Omã e seus parceiros do Conselho de Cooperação do Golfo (CCG) - Arábia Saudita, Catar, Kuwait, Barein e os Emirados Árabes Unidos - expressaram reiteradamente sua oposição a um ataque contra o Irã, já que pode prejudicar suas economias, que dependem da exportação do petróleo.

O CCG exporta seu petróleo através do Estreito de Ormuz, situado perto da fronteira marítima de Irã e Omã, na entrada do Golfo Pérsico.

Durante a viagem que realizou em janeiro passado pela zona, o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, buscou o apoio do CCG aos planos de Washington de conter a influência do Irã na região, e acusou Teerã de ameaçar seus vizinhos árabes.

Cheney, cujo país tem bases militares no Kuwait, Barein e Catar, chegou terça-feira à noite a Omã procedente do Iraque, e esta manhã realizou uma excursão, no iate do sultão, pelas águas do Golfo, aparentemente em uma mostra do compromisso dos EUA com a segurança da região, segundo as mesmas fontes.