UE acredita que as eleições no Irã não foram justas

Agência EFE

TEERÃ - A União Européia (UE) expressou sua "profunda preocupação" com a forma em que foram realizaram as recentes eleições no Irã, cujo desenvolvimento não foi "nem justo, nem livre", de acordo com Bruxelas.

Em comunicado, a Presidência eslovena da UE afirma que o pleito não cumpriu os padrões internacionais, e que o processo eleitoral "não permitiu uma verdadeira concorrência" entre as diferentes opções.

Em particular, ressaltam seu "desgosto e desacordo" com o fato de que mais de um terço dos candidatos teve vetada sua participação nas eleições gerais, realizadas na sexta-feira passada, sem que ainda tenha terminado a apuração de votos.

Esta exclusão "representa uma clara violação das normas internacionais", segundo a União Européia.

Por este motivo, pedem às autoridades de Teerã a adesão "aos princípios da legalidade internacional e à democracia", e que cumpram suas "obrigações internacionais, incluindo as que cobrem direitos civis e políticos".