Conservadores do Irã dizem ter conquistado maioria no parlamento

Zahra Hosseinian, REUTERS

TEERÃ - Conservadores dizem ter uma vitória clara nas eleições para o Parlamento iraniano no domingo, mas uma nova legislatura pode ainda causar mais dificuldades para o presidente Mahmoud Ahmadinejad até as eleições presidenciais do próximo ano.

A dura oposição reformista ao presidente tentou capitalizar o descontentamento público com a inflação alta no quarto maior país produtor de petróleo, mas muitos de seus candidatos foram proibidos de concorrer na votação de sexta-feira.

Os conservadores, que se intitulam 'principalistas' pela lealdade aos ideais da República Islâmica, conseguiram 120 cadeiras na assembléia de 290 membros, contra 46 dos reformistas até agora, segundo o canal de televisão oficial Press TV.

Os números não incluem Teerã, onde os conservadores também estão liderando, segundo a imprensa oficial.

'Mais de 70 por cento das cadeiras do Parlamento pertencem aos principalistas', disse à Reuters Shahabeddin Sadr, que deverá ganhar uma cadeira para os conservadores na capital. 'É uma grande honra as pessoas colocarem sua confiança em nós novamente.'

O resultado final pode demorar até segunda-feira, segundo as autoridades.

Mas mesmo se uma vitória dos conservadores for confirmada, analistas dizem que divisões entre políticos leais a Ahmadinejad e seus críticos podem ser ampliadas enquanto eles negociam suas posições antes da disputa presidencial de 2009.

Os reformistas, que querem a transformação política e social, e alguns conservadores acusam o presidente pela inflação alta, atualmente em 19 por cento, e pelos gastos da receita do petróleo em subsídios e empréstimos.