Candidato à presidência dos EUA McCain chega ao Iraque

REUTERS

BAGDÁ - O candidato republicano à presidência dos Estados Unidos, John McCain, chegou a Bagdá no domingo para avaliar as melhorias na segurança do Iraque atribuídas ao envio de um reforço de 30.000 militares norte-americanos, medida que ganhou seu forte apoio.

McCain chegou a Bagdá e deve se encontrar com o líderes do governo iraquiano e oficiais norte-americanos na Zona Verde, a base militar e diplomática com forte segurança, disse a porta-voz da embaixada norte-americana, Mirembe Nantongo.

- Eu posso confirmar que ele chegou - disse Nantongo.

McCain criticava abertamente a maneira como a operação no Iraque estava sendo administrada até o envio do reforço nas tropas, que começou no ano passado como parte de uma nova estratégia contra insurgência adotada pelos comandantes norte-americanos.

Os ataques no Iraque caíram 60 por cento desde junho, quando o envio de tropas foi concluído. Houve explosões de violência no país desde janeiro, mas os comandantes dos Estados Unidos no Iraque dizem que não representam uma tendência.

As tropas extras, o crescimento de unidades de segurança de sunitas que se voltaram contra a al Qaeda, e o cessar-fogo do clérigo xiita Moqtada al-Sadr para sua milícia ajudaram nos resultados da segurança.

McCain está fazendo sua oitava visita ao Iraque desde a invasão que derrubou Saddam Hussein em março de 2003. Imagens de televisão mostram o candidato apertando a mão de soldados em sua chegada.

Ele disse durante sua campanha nos Estados Unidos, na semana passada, que a maneira mais rápida para concluir a guerra era continuar pressionando.

"Eu acredito que o povo americano vai ter paciência para ver o fim disso", ele disse.

Mortes violentas entre civis aumentaram mais de 30 por cento em fevereiro após seis meses consecutivos de queda.

A visita do candidato ocorre quando o número de norte-americanos mortos no Iraque se aproxima a 4.000.