Kosovo não voltará a ser parte da Sérvia, dizem EUA

REUTERS

WASHINGTON - Kosovo nunca mais integrará a Sérvia, afirmou na segunda-feira o Departamento de Estado norte-americano, prometendo, no entanto, que o governo dos EUA continuará discutindo a questão com os sérvios e a Rússia, contrários à independência kosovar.

Tom Casey, porta-voz do Departamento de Estado, deu essas declarações depois de Dmitry Medvedev, apontado como franco favorito para vencer as próximas eleições presidenciais na Rússia, visitar Belgrado para sinal do apoio russo aos esforços sérvios para retomar o controle sobre Kosovo, que declarou independência com o apoio de potências ocidentais.

- Vamos continuar tentando trabalhar tanto com os russos quanto com os sérvios a esse respeito, mas acho que deve ficar claro para todo mundo neste momento que Kosovo nunca será parte da Sérvia novamente - disse Casey.

Em Belgrado, o primeiro-ministro sérvio, Vojislav Kostunica, disse que as manifestações de rua contra a recém-criada República do Kosovo continuariam a ser realizadas e que não haveria uma normalização das relações com os países que aceitaram a independência kosovar.

Segundo Casey, os EUA, que reconheceram o novo status de Kosovo, não viam problemas na realização de manifestações pacíficas a respeito da questão. O porta-voz ressaltou que esses protestos, no entanto, não podiam tornar-se violentos.

Na semana passada, a embaixada norte-americana em Belgrado foi atacada e incendiada por pessoas contrárias à declaração de independência de Kosovo, realizada no dia 17 de fevereiro, com o apoio também dos EUA.

Casey disse que familiares de funcionários norte-americanos da embaixada e funcionários considerados não essenciais ficariam afastados de Belgrado até que a situação melhorasse, mas que o embaixador dos EUA no país, Cameron Munter, e outras autoridades norte-americanas continuavam na capital sérvia.

Na semana passada, a secretária de Estado dos EUA, Condoleezza Rice, culpou as autoridades da Sérvia por não terem protegido a embaixada. A Sérvia manifestou-se oficialmente lamentando o incidente.

Segundo Casey, todos os envolvidos deveriam avançar agora implementando um plano para a independência supervisionada de Kosovo, plano esse elaborado por Martti Ahtisaari, enviado da Organização das Nações Unidas (ONU).

- Não queremos isolar a Sérvia - afirmou ele, acrescentando que os EUA desejavam que a Sérvia concretizasse seus planos de integrar-se à Europa.

- Acreditamos que esse seja o futuro do país e esperamos que essa seja a direção que a liderança dele desejará.