Farc confirmam quatro ex-parlamentares em grupo quer será libertado

Agência EFE

BOGOTÁ - Ivan Márquez, um dos comandantes das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), confirmou em entrevista divulgada neste sábado que, em breve, a guerrilha libertará o ex-senador Jorge Eduardo Gechem junto com outros três ex-parlamentares.

- Em breve, entregaremos ao presidente (da Venezuela, Hugo) Chávez - já o informamos - e a Piedad Córdoba (senadora colombiana da oposição), não três, mas quatro congressistas, porque, além de Gloria Polanco, Orlando Cuéllar e Eladio Pérez, resolvemos libertar o senhor Gechen Turbay - disse Márquez.

O guerrilheiro, cujo nome verdadeiro é Luciano Marín Arango e que integra o chamado 'secretariado' das Farc - a cúpula do grupo -, fez a revelação à 'Agência Bolivariana de Imprensa' ("ABI"), que hoje divulgou a notícia pela internet.

Na entrevista, Márquez destaca que a nova libertação será efetuada 'sem pressa', mas também 'sem demora' e 'sem pressões', porque, segundo explicou, em 'primeiro lugar está a segurança dos libertados e do grupo guerrilheiro que deverá entregá-los'.

No último dia 31, as Farc tinham anunciado a libertarão de Gloria Polanco, Orlando Beltrán e Luis Eladio Pérez, que não estariam bem de saúde.

Porém, até hoje, a guerrilha não havia se pronunciado sobre a soltura de Gechem, embora o ministro de Assuntos Exteriores da França, Bernard Kouchner, que esteve quarta-feira na Venezuela e quinta na Colômbia, tenha dito que um quarto ex-congressista seria libertado.

O ex-senador Gechem, que aparentemente teve várias crises cardíacas em cativeiro e sofre de um problema na coluna, foi seqüestrado em 20 de fevereiro de 2002 por uma facção de elite das Farc.

Hoje, o jornal colombiano 'El Tiempo' noticiou que as Farc pediram remédios e soro a camponeses de uma região isolada do departamento (estado) de Guaviare para tratar de Gechem.

- A guerrilha nos parou na quarta-feira e pediu para que conseguíssemos soro, seringas, compressas e um remédio. Ficamos de entregar a eles o material perto cerca de La Paz', contou um habitante do povoado à publicação.

Ainda segundo o 'El Tiempo', 'as autoridades ouviram comunicações das Farc que indicam que o ex-senador já não tem soro e precisa de um remédio para o coração'.