União Européia exige que Sérvia se esforce para proteger embaixadas

Agência EFE

BRDO (ESLOVÊNIA) - Ministros e responsáveis da União Européia (UE) exigiram nesta sexta-feira às autoridades sérvias que se esforcem para proteger as embaixadas estrangeiras em seu território, e advertiram sobre as conseqüências deste clima de violência para sua futura adesão ao bloco europeu.

- Gostaria que a Polícia tivesse agido antes - disse, em declarações na entrada do conselho informal de ministros da Defesa realizado em Brdo, na Eslovênia, o titular da Defesa alemão, Franz Josef Jung, cuja embaixada foi uma das atingidas pelos ataques de ontem em protesto pela independência do Kosovo.

Lembrou que a Sérvia "tem a obrigação" de proteger as delegações diplomáticas em seu território, e garantiu que só podem "condenar estes atos afastando-nos deles". Ressaltou, além disso, que devem "que apoiar os que têm uma perspectiva européia, também em Belgrado". O alto representante para Política Externa e Segurança Comum da União Européia, Javier Solana, também enviou uma mensagem de apoio ao presidente sérvio, o pró-europeu Boris Tadic.

Solana lembrou à Sérvia que é obrigação dos países proteger as embaixadas que ficam em seu território, e advertiu que o atual clima de violência impede a aproximação do país à adesão na UE. O alto representante destacou, neste sentido, que "o clima tem que se acalmar para retomar as negociações", em relação à assinatura de um Acordo de Associação e Estabilização, considerado a prévia da entrada na União Européia.

O ministro da Defesa esloveno e presidente rotativo do Conselho, Karl Erjavec, considerou que as autoridades sérvias "são responsáveis por mudar a situação", e que "a Polícia tem que fazer tudo o necessário para proteger as embaixadas estrangeiras em Belgrado".