Hillary Clinton nega que vá 'jogar a toalha'

Agência AFP

WASHINGTON - A ex-primeira-dama Hillary Clinton desmentiu nesta sexta-feira que pretenda jogar a toalha na campanha pela candidatura democrata à presidência, um dia depois do debate com o rival Barack Obama no qual admitiu pela primeira vez a possibilidade de derrota.

Enfraquecida diante das 11 vitórias consecutivas de Obama nas prévias eleitorais do Partido Democrata, Hillary agora luta para convencer os eleitores de que sua participação no debate em Austin, no Texas, na quinta-feira, não foi em tom de despedida.

- Tento vencer, obviamente. Estou trabalhando muito duro, e Ohio e Texas são estados críticos - disse a senadora por Nova York à rede de televisão ABC News, referindo-se às primárias marcadas para o dia 4 de março nos dois estados - e que para ela serão votações de vida ou morte.

Do outro lado, o favorito para vencer a disputa pela indicação republicana à presidência John McCain faz campanha no estado de Indiana, um dia após ter ido à televisão negar que tenha tido, como publicou o jornal The New Yor Times, uma relação amorosa com uma lobista de Washington, apesar de utilizar como argumento de campanha sua conduta de não se aproximar de grupos de pressão.

Ouvida pela rede CBS se o debate no Texas marcou o começo do fim para sua campanha, Hillary respondeu com um "claro que não", e garantiu que seu espírito de luta não havia arrefecido.

Na NBC, no entanto, a ex-primeira-dama preferiu não responder ao que faria caso perdesse as primárias em Ohio e no Texas, estados onde seu marido, o ex-presidente Bill Clinton, já admitiu que ela deve ganhar se quiser continuar na briga.

Em um arroubo de cortesia e humildade nos últimos segundos do debate, Hillary se afastou de seu roteiro político e refletiu sobre o futuro, em comentários que arrancaram da platéia uma longa ovação de pé.

Ela lembrou que havia visitado um hospital para veteranos de guerra gravemente feridos, e que a luta deles e de todos os americanos era o combustível para sua carreira política.

- Vocês sabem, os golpes que recebi na vida não são nada comparado ao que acontece todos os dias na vida das pessoas em nosso país - disse a senadora. - Isso é o que me faz levantar de manhã. É isso o que me motiva nesta campanha - declarou.