Putin: Aproximação da Otan à Rússia obriga a buscar respostas

Agência EFE

MOSCOU - O presidente russo, Vladimir Putin, advertiu nesta sexta-feira que a aproximação da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) às fronteiras da Rússia obriga o país a buscar respostas, em um discurso ao Conselho de Estado no qual fez um balanço de seus oito anos de gestão. O chefe do Kremlin denunciou que o Ocidente não atende à "fundamentada preocupação' da Rússia com a aproximação das estruturas militares a suas fronteiras, e acrescentou que todas as conversas entre os países ocidentais são apenas uma "tampa diplomática" para levar adiante seus planos.

- Não há uma resposta construtiva para nossa preocupação - disse Putin, que acusou o Ocidente de não dar passos reais para a busca de um compromisso e obrigar à Rússia a buscar respostas para estes desafios.

Acrescentou que "infelizmente, no mundo está se desenvolvendo uma nova corrida armamentista, mas não depende de nós, nem nós a começamos", e destacou que a despesa militar da Rússia é dezenas de vezes inferior ao dos países do Ocidente. Putin ressaltou que, para cumprir suas tarefas estratégicas, a Rússia precisa de uma "agenda pacífica" de relações internacionais.

- Nossa opção é evidente: somos um parceiro confiável para toda a comunidade mundial na solução dos problemas globais, e nos interessa a cooperação mutuamente benéfica em todos os campos - disse.

O presidente russo disse que seu país não tem intenção de "tirar nada de ninguém".

- Somos um país auto-suficiente e não temos a intenção de nos fechar e nos isolar do mundo exterior - acrescentou.

O discurso de Putin ao Conselho de Estado, órgão consultivo adjunto à Presidência, foi transmitido ao vivo pelas duas principais redes de televisão do país.