Berlusconi tenta unificar direita italiana antes de eleição

REUTERS

ROMA - Silvio Berlusconi convocou na sexta-feira os partidos de centro-direita da Itália para concorrerem sob uma única bandeira nas eleições gerais de abril.

A chamada ocorreu depois de o maior partido de centro-esquerda do país ter jogado a toalha e haver dito que faria campanha sozinho, sem seus aliados.

Pesquisas de opinião sugerem que Berlusconi, um magnata bilionário dos meios de comunicação, conquistará o poder pela terceira vez, agora depois do colapso, no mês passado, do governo de 20 meses encabeçado pelo primeiro-ministro Romano Prodi.

Mas Berlusconi, 71, líder do partido Força Itália e proprietário do clube de futebol AC Milan, deseja evitar a formação de uma coalizão ampla e conflituosa como a que provocou tanta turbulência durante o mandato de Prodi.

Ironicamente, o líder da centro-direita precisa enfrentar uma lei eleitoral que favorece coalizões do tipo e que o governo dele legou, como uma 'pílula de veneno', a Prodi pouco antes de perder a eleição em 2006.

Apelidado de 'Cavaliere' (Cavaleiro), Berlusconi foi o primeiro premiê italiano em 50 anos a cumprir seu mandato por inteiro, quando ficou no poder de 2001 a 2006. No entanto, durante esse período, o dirigente discutiu acaloradamente com seus aliados e, no ano passado, dissolveu a coalizão que comandava, chamando-a de um 'ectoplasma'.

Assim que o governo de Prodi ruiu, no entanto, os maiores aliados de Berlusconi, a Aliança Nacional (AN), conservadora, e a Liga do Norte, de extrema direita, logo correram para perto dele.

- Não haverá mais o símbolo da Força Itália ou da AN. Este é o Povo da Liberdade (novo partido formado pelo ex-premiê) e haverá um único grupo no Parlamento - afirmou Berlusconi. A Liga, separatista, continuará a usar sua bandeira e concorrerá 'na Federação' com o novo grupo, afirmou.