Após a crise, autoridades chinesas advertem para riscos do degelo

Agência EFE

PEQUIM - Os serviços nacionais de meteorologia chineses assinalaram nesta quinta-feira que as temperaturas continuarão aumentando nos próximos três dias, pondo fim à pior onda de frio e neve do país em 50 anos, embora as autoridades tenham recomendado "não baixar a guarda", já que o degelo pode causar deslizamentos de terra. A onda de frio e neve causou mais de 80 mortes, afetou mais de 105 milhões de pessoas e causou perdas no valor de US$ 11 bilhões.

O sol voltará a sair nas regiões da metade sul da bacia de Yang Tsé, que sofreu as piores nevascas em 100 anos, destacou a Administração Meteorológica da China. A neve seguirá caindo nas regiões do Tibete, Sichuan e outras do oeste do país, mais acostumadas ao frio e às nevascas, segundo a previsão do tempo emitida pela agência estatal 'Xinhua'. Apesar da paulatina recuperação dos serviços de energia e dos transportes, milhões de pessoas passaram a noite de ontem às escuras no país.