Conselho de Segurança apóia mediação de Annan no Quênia

Agência AFP

NOVA YORK - O Conselho de Segurança da ONU expressou nesta quarta-feira seu apoio ao ex-secretário-geral Kofi Annan em sua tarefa de mediação no Quênia, há um mês mergulhado em uma violência de origem étnico-política que já deixou mais de mil mortos.

Em uma declaração lida por seu presidente durante o mês de fevereiro, o embaixador panamenho Ricardo Alberto Arias, o Conselho "saúda o informe de avanços nas negociações (...) incluindo o anúncio de um calendário de ação para pôr fim à crise no Quênia".

O bloco de 15 membros destacou, contudo "sua profunda preocupação com o fato de que, apesar dos compromissos de 1º de fevereiro, persistam os assassinatos de civis, a violência sexual e de gênero e os deslocamentos forçados".

Annan está em Nairóbi para tentar um acordo entre o líder opositor Raila Odinga e o governo, que ponha fim à violência deflagrada após o anúncio, em 27 de dezembro, da reeleição do presidente Mwai Kibaki. Sua vitória é cercada de irregularidades denunciadas por observadores independentes.

O Conselho também manifestou "seu pleno apoio aos esforços do grupo de eminentes personalidades africanas dirigido por Kofi Annan para ajudar as partes a encontrar uma solução política" para a crise.