Olmert receberá relatório crucial sobre conflito no Líbano em 2006

Agência EFE

JERUSALÉM - O primeiro-ministro israelense, Ehud Olmert, e o titular da Defesa, Ehud Barak, receberão nesta quarta-feira, pouco antes que se torne público em entrevista coletiva, o relatório da denominada Comissão Winograd, que investigou os erros na condução do conflito no Líbano em 2006.

Os analistas da comissão entregarão ao chefe do Governo israelense uma cópia do documento, que deve ser crítico em relação à condução do conflito, às 17h (12h de Brasília), uma hora antes de ser divulgado publicamente no Centro de Exposições e Congressos de Jerusalém.

No comparecimento à imprensa, o juiz que lidera o painel, Eliyahu Winograd, apresentará um sumário do relatório e os métodos utilizados pelos investigadores.

Cerca de 300 jornalistas estrangeiros se credenciaram para participar da conferência, mas a imprensa local adverte que as perguntas não serão autorizadas.

Em um relatório preliminar de maio do ano passado, a comissão responsabilizou Olmert, o então titular da Defesa, Amir Peretz, e o chefe das Forças Armadas, Dan Halutz, pela maneira como o conflito no Líbano foi conduzido.

Após a divulgação do relatório preliminar, a ministra de Assuntos Exteriores israelense, Tzipi Livni, chegou a sugerir a renúncia do primeiro-ministro.

Durante o conflito do Líbano caíram sobre o norte de Israel cerca de quatro mil foguetes da milícia xiita libanesa Hisbolá, e a vasta operação militar israelense por terra, mar e ar não conseguiu deter os ataques.

O conflito durou 34 dias e terminou com um acordo de cessar-fogo alcançado com a mediação da ONU e o desdobramento de milhares de tropas internacionais no sul do Líbano.