Portugal nega que ajudou a transportar 728 presos para Guantánamo

Agência AFP

LISBOA - O governo português negou nesta terça-feira as conclusões de uma ONG britânica que acusam Portugal de ter ajudado no transporte de mais de 700 prisioneiros para a base de Guantánamo, em Cuba.

- Naturalmente, negamos as conclusões desse relatório - declarou o secretário de Estado para Assuntos Europeus, Manuel Lobo Antunes, falando à agência Lusa.

Segundo a organização britânica Reprieve, Portugal ajudou no transporte de 728 presos para a base americana de Guantánamo, autorizando o uso de seu território e espaço aéreo. A ONG pediu que Lisboa abra uma investigação a respeito dessa violação do direito internacional.

De acordo com o relatório da organização de direitos humanos, 728 dos 774 prisioneiros transportados pelas forças dos Estados Unidos para as prisões abertas em sua base de Guantánamo passaram pelo território e espaço aéreo de Portugal.

O documento da Reprieve se baseia em dados oficiais portugueses, assim como em informações do departamento americano da Defesa e testemunhos de prisioneiros. O primeiro desses vôos aconteceu em 11 de janeiro de 2002 e o último em 7 de maio de 2006.