Chanceler diz que cerco a reféns das Farc seria uma alternativa

Agência EFE

BOGOTÁ - O ministro da Defesa colombiano, Juan Manuel Santos, disse que a possibilidade de as forças policiais cercarem os reféns das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) caso sejam localizados é "uma alternativa possível" para tentar libertá-los.

- Seria uma alternativa, caso consigamos encontrá-los - explicou Santos na Comissão de Assuntos Exteriores da Assembléia Nacional francesa, em Paris.

O chanceler lembrou que a idéia lançada pelo presidente colombiano, Álvaro Uribe, é que assim que os reféns das Farc fossem localizados, a região seria cercada e isso seria levado ao conhecimento da comunidade internacional para negociar um acordo humanitário.

- É apenas uma alternativa possível - afirmou.

As autoridades francesas pediram ontem à Colômbia que não empreenda ações que possam pôr os seqüestrados em perigo, depois que associações de apoio à refém franco-colombiana Ingrid Betancourt denunciaram a intenção de Uribe.

Santos disse que "as Farc estão utilizando os seqüestrados como escudo humano para tentar recuperar o terreno político perdido".

- Quanto mais a discussão do acordo humanitário se prolongar, melhor para as Farc - acrescentou, antes de mencionar que a guerrilha tinha se negado a divulgar a lista com os nomes de 500 guerrilheiros que seriam postos em liberdade em troca dos 43 reféns políticos em seu poder.