Rússia conclui fornecimento de combustível nuclear para usina iraniana

Agência EFE

MOSCOU - A Rússia finalizou hoje a provisão de combustível nuclear com destino à primeira central atômica iraniana (Bushehr), que engenheiros russos constroem às margens do Golfo Pérsico.

O oitavo e último carregamento de combustível chegou hoje à usina de Bushehr, informou Irina Yesipova, porta-voz da AtomStroyExport, a empresa estatal russa encarregada do projeto.

O combustível estará o tempo todo sob o controle dos inspetores da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA).

No total, a Rússia forneceu ao Irã desde 17 de dezembro cerca de 82 toneladas de urânio 235 enriquecido entre 1,6% e 3,62%.

Os 180 contêineres com o urânio foram selados no final de novembro por inspetores da AIEA em uma indústria química de Novosibirsk (Sibéria).

A Rússia afirma que 'a parte iraniana deu garantias escritas adicionais de que o combustível será empregado exclusivamente na central elétrica nuclear de Bushehr'.

Os especialistas russos destacam que o grau de enriquecimento do combustível é inferior ao nível alcançado pelos especialistas iranianos, por isso as provisões russas não podem contribuir ao enriquecimento de urânio por parte do Irã com possíveis fins militares.

Moscou e Teerã assinaram no início de 2005, com o beneplácito da AIEA, um protocolo adicional sobre a devolução, para a Rússia, do combustível nuclear usado na central nuclear.

Esse documento pretendia dissipar as dúvidas na comunidade internacional sobre um possível uso desse combustível para a fabricação de armas nucleares.

A construção da usina de mil megawatts de potência foi salpicada de atrasos há meses devido às contínuas faltas de pagamentos por parte do Irã.

Em outubro passado, o presidente russo, Vladimir Putin, negou em Teerã que o atraso na conclusão de Bushehr tenha 'razões políticas'.

Recentemente, a AtomStroyExport anunciou que Bushehr entrará em funcionamento somente a partir do final de 2008.

Apesar disso, as autoridades iranianas anunciaram que, apesar de tudo, a usina atômica funcionará ainda no começo do segundo semestre à metade de sua capacidade.

Embora os Estados Unidos tenham criticado durante meses a cooperação nuclear entre Moscou e Teerã, o presidente americano, George W. Bush, apoiou em meados de janeiro a entrega por parte da Rússia de urânio ao Irã.

Bush afirmou que, uma vez recebido o urânio russo, Teerã já não terá necessidade de lançar mão de suas próprias capacidades de enriquecimento.