Republicanos medem forças na Flórida; McCain e Romney são favoritos

Agência EFE

MIAMI - Os pré-candidatos presidenciais republicanos medirão suas forças nas primárias do Estado americano da Flórida amanhã, em uma disputa em que os democratas estarão sem os delegados locais e que é considerada de extrema importância para as eleições gerais de novembro.

Os republicanos John McCain, senador do Arizona, e Mitt Romney, ex-governador de Massachusetts, possuem 30% da preferência dos eleitores cada um, de acordo com pesquisa de opinião feita pela empresa Zogby.

No Partido Democrata, a senadora por Nova York Hillary Clinton desponta na liderança em diversas pesquisas de opinião, e estaria confortavelmente à frente de Barack Obama.

Os principais rivais entre os republicanos, além de McCain e Romney, também estão praticamente empatados na disputa pelo terceiro e quarto lugares.

Mike Huckabee, ex-governador do Arkansas, ocupa a terceira posição, com 14% da preferência dos eleitores, e Rudy Giulliani, ex-prefeito de Nova York, que preferiu concentrar sua campanha na Flórida, o quarto lugar, com 13%.

Embora as primárias da Flórida não esclareçam as possibilidades finais de vitória de McCain e Romney, o futuro de Giuliani é previsível, já que um terceiro ou quarto lugar o colocaria em enorme desvantagem no resto da campanha.

O ganhador obterá 57 delegados para a Convenção Nacional Republicana, onde será selecionado o candidato que defenderá o partido nas eleições presidenciais de 4 de novembro.

Com a anulação da participação dos delegados democratas da Flórida na Convenção Nacional da legenda, devido à antecipação da data das eleições, as primárias na Flórida têm um peso relativo.

Dos 10,2 milhões de eleitores inscritos na Flórida, 4,1 milhões são do Partido Democrata e ficariam sem representação na convenção que decidirá o candidato presidencial do partido.

O irônico do caso é que foram os republicanos, maioria na Assembléia Legislativa estadual, que propuseram a antecipação das primárias. Mesmo assim, a sanção foi imposta aos 210 delegados e 31 suplentes democratas do estado pelo Comitê Nacional da legenda.

Joe García, presidente do Partido Democrata do condado de Miami-Dade, disse à Agência Efe que essa decisão 'sem dúvida é um problema, embora, na realidade, até agora não tenha tido nenhum efeito nos eleitores'.

- Os democratas estão votando em números mais altos que os já vistos na história das primárias da Flórida - completou.

Um total de 879 mil eleitores já emitiu seu voto por meio de sufrágio antecipado e por correio, com 474 mil do lado republicano e 405 mil do democrata.

- Isso demonstra que há um grande interesse, porque temos candidatos fortes. A Flórida é conhecida por escolher os presidentes, não por designar os candidatos - acrescentou García.

O castigo para os democratas incluiu a proibição de se fazer campanha na Flórida, estado que decidiu as eleições presidenciais de 2000 e que é considerado fundamental para o pleito deste ano.

A ausência dos candidatos democratas foi aproveitada pelos republicanos, que utilizaram toda sua 'maquinaria' para incentivar os eleitores a comparecer às urnas.

A vitória nas primárias é fundamental para Giuliani manter-se no páreo, enquanto para McCain reforçaria suas aspirações para a 'super terça', 5 de fevereiro, quando serão realizadas primárias em 22 estados.

McCain conta com apoio de 'pesos pesados' na Flórida, como o governador Charlie Crist e o senador cubano-americano Mel Martínez.

Esse apoio é direcionado à conquista do cobiçado voto dos eleitores cubano-americanos do sul da Flórida, que tendem a votar pelos republicanos, mas que neste ano já estão optando pelos democratas, decepcionados com a política de Washington em relação a Cuba e os imigrantes, segundo a Fundação Nacional Cubano Americana (FNCA).

Eduardo Gamarra, diretor da empresa de pesquisas de opinião pública Newlink Research, afirmou hoje que, de acordo com as últimas enquetes, McCain detém a preferência da maioria dos hispânicos e Hillary está à frente de Obama.

Segundo dados da Associação Nacional de Funcionários Latinos Eleitos e Nomeados (Naleo, da sigla em inglês), os 924 mil eleitores latinos registrados na Flórida representam 11% do eleitorado do estado.

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais