Dirigente libanês morto em atentado já tinha sofrido 2 ataques

Agência EFE

BEIRUTE - O capitão da Polícia Wisan Eid, um dos responsáveis pelos serviços de inteligência libaneses e assassinado em um atentado hoje em Beirute, já tinha sido alvo em duas ocasiões anteriores de ações terroristas.

O ministro do Interior libanês, Hassan Saba, declarou hoje que Eid foi alvo no passado de dois atentados, embora não tenha dado mais detalhes sobre o tema.

Segundo fontes policiais, há um ano e meio Eid escapou ileso de um ataque dirigido contra ele quando vários homens atiraram uma granada contra sua casa em Beirute.

As mesmas fontes, por outro lado, evitaram falar sobre o segundo atentado.

Eid, muçulmano sunita de 32 anos e solteiro, era engenheiro de computação e um dos comandantes da área de Segurança Interior da Polícia (serviços de inteligência libaneses), especializado em terrorismo.

Nascido na aldeia de Deir Ammar, no Norte do país, colaborava com o comitê internacional que investiga o assassinato do ex-primeiro-ministro Rafik Hariri, em fevereiro de 2005.

Também trabalhou com o Exército no ano passado para derrotar o grupo radical sunita Fatah al-Islam, que estava entrincheirado em um campo de refugiados palestinos próximo à cidade de Trípoli (Norte).

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais