Prefeito de Jerusalém diz que Israel deve ter a soberania da cidade

Agência EFE

JERUSALÉM - O prefeito de Jerusalém, o ultra-ortodoxo judeu Uri Lupolianski, disse nesta quarta-feira ao presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, que a Cidade Santa deve permanecer unida e sob soberania israelense.

O prefeito se reuniu com Bush no histórico hotel King David, cujos arredores ficaram literalmente tomados pelas forças de segurança israelenses e americanas, em medidas sem precedentes em uma visita oficial de um chefe de Estado a Israel.

Segundo destaca a edição eletrônica do jornal "Yedioth Ahronoth", Lupolianski assegurou a Bush que Israel preserva a liberdade de culto para todos os credos e que continuará fazendo-o no futuro "pela vital importância que tem manter Jerusalém unida".

Ontem, véspera da chegada de Bush a Israel, milhares de pessoas, em sua maioria simpatizantes da direita nacionalista israelense, se concentraram em torno das muralhas da cidade antiga de Jerusalém em uma cadeia humana para protestar por uma eventual divisão da cidade.

Lupolianski destacou que todas as disputas sobre a cidade, que Israel considera sua capital "eterna e indivisível", "não são meras disputas sobre um bairro ou outro, mas sobre o mesmo centro sagrado, e essa é a razão pela qual existe a preocupação pelo futuro e segurança de suas crianças".

O prefeito presenteou o presidente americano com uma gravura de Heinrich Buenting de 1581 de um mapa que mostra Jerusalém como centro do mundo, segundo informa um comunicado da Prefeitura de Jerusalém.