Fidel defende o voto unido para preservar o socialismo em Cuba

Agência EFE

HAVANA - O líder cubano Fidel Castro se proclamou "convicto partidário do voto unido" (por todos os candidatos), um voto de caráter político e entendido como apoio a sua revolução e ao socialismo, em uma mensagem divulgada a doze dias das eleições parlamentares.

- Sou um convicto partidário do voto unido. Foi o que nos permitiu evitar as tendências de copiar o que vinha dos países do antigo campo socialista - afirmou Fidel na noite desta terça-feira, em uma mensagem ao programa televisivo Mesa Redonda e reproduzida na imprensa local nesta quarta-feira.

No próximo dia 20, os cubanos elegerão os 614 deputados do parlamento e os delegados das 14 assembléias provinciais. Depois das reformas no sistema eleitoral de 1992, os deputados da Assembléia Nacional e das assembléias provinciais foram eleitos por voto direto e secreto da populaçao.

Essas mudanças coincidiram com o desaparecimento do bloco soviético, aliado de Cuba durante 30 anos, deixando a ilha em crise econômica e isolamento político.

A convocação de Fidel ao "voto unido" teria, segundo alguns analistas, "um caráter plebiscitário de apoio ao sistema". A campanha pela televisão também pede "o voto unido" ao explicar que "o inimigo tem um plano para nos desunir e separar".