Conversas de Diana foram gravadas por serviço secreto, diz testemunha

Agência EFE

LONDRES - Conversas telefônicas da princesa Diana com um suposto amante teriam sido provavelmente gravadas pelos serviços de inteligência britânicos, disse hoje um ex-guarda-costas de Lady Di ao júri londrino que investiga o caso sobre a morte da ex-mulher do príncipe Charles.

Ken Wharfe, que trabalhou para a princesa por seis anos, afirmou, em depoimento ao corpo de jurados encarregado da investigação, que possivelmente os serviços secretos britânicos foram os responsáveis pela gravação das fitas que deram início ao escândalo 'Squidgygate', que envolveu toda a família real britânica.

Diana foi surpreendida em 1989, quando ainda era mulher de Charles, enviando beijos por telefone a um suposto amante, James Gilbey, que se referia a ela por meio do apelido 'Squidgy'. Segundo a testemunha, foram provavelmente os serviços secretos os responsáveis pela gravação dessas fitas.

- Acho que as gravações internas foram feitas provavelmente pelos serviços de inteligência britânicos. Provavelmente tinham uma boa razão para fazê-lo - completou Wharfe.

O ex-guarda-costas comentou que, 'por alguma razão desconhecida, essas conversas foram divulgadas para que os radioamadores pudessem captá-las'. Wharfe disse acreditar que os serviços de inteligência submeteram os membros da família real a uma restrita vigilância, devido à atividade terrorista do Exército Republicano Irlandês (IRA), que estava em plena atividade naquele momento.

Diana morreu junto com seu último namorado, Dodi al-Fayed, quando o Mercedes em que viajavam se chocou contra um pilar de um túnel de Paris, em 31 de agosto de 1997.