Sarkozy anuncia grupo de trabalho para criar novos métodos de medição

Agência EFE

PARIS - O presidente francês, Nicolas Sarkozy, anunciou nesta terça-feira a criação de um grupo de analistas internacionais encarregado de refletir sobre novos instrumentos e critérios de medição do crescimento econômico para a maior valorização da qualidade e não apenas da quantidade

"Se os critérios e indicadores de riqueza continuarem os mesmos, como vamos mudar o modo de produzir?', perguntou-se Sarkozy em sua primeira entrevista coletiva formal no Palácio do Eliseu desde que assumiu a Presidência em maio.

O chefe de Estado anunciou que dois prêmios Nobel de Economia aceitaram participar do grupo: Amartya Sen, que 'contribuirá com seus conselhos', e Joseph Stiglitz, que presidirá o comitê de analistas.

Sarkozy, que relacionou a reflexão à 'política de civilização'que quer impulsionar, defendeu a necessidade de se escapar de um enfoque 'muito quantitativo e contábil' do crescimento.

"Se continuarmos prisioneiros da visão restrita do Produto Interno Bruto, não podemos esperar mudar os comportamentos e as formas de pensar', explicou.

Para favorecer uma nova forma de crescimento, o presidente disse que é preciso 'modificar os instrumentos de medição'.

Ele quer que a percepção do progresso econômico seja mais completa, e leve mais em conta a qualidade de vida dos franceses, que já não suportam a 'defasagem crescente' entre as estatísticas que mostram um progresso contínuo e as 'dificuldades cada vez maiores' na vida cotidiana.

Sarkozy afirmou que o cálculo feito até agora 'abala a confiança, porque ninguém mais acredita nas estatísticas'.

O presidente francês disse querer que a França dê o exemplo a um grupo de analistas internacionais para que reflitam sobre uma mudança dos instrumentos e critérios de medição do crescimento.