Polícia paquistanesa identifica suposto assassino de Bhutto

Agência EFE

ISLAMABAD - O suposto assassino da líder oposicionista paquistanesa Benazir Bhutto foi identificado, segundo uma fonte da investigação, citada hoje pela emissora de televisão "ARY'.

Segundo a fonte, o suposto assassino morreu durante o atentado contra a ex-primeira-ministra, dia 27 de dezembro, em Rawalpindi.

No atentado, um terrorista atirou em Bhutto e depois um suicida detonou a carga explosiva que levava junto ao corpo. Supostamente, os dois são a mesma pessoa.

A 'ARY', citada pela agência estatal 'APP', acrescenta que os investigadores do atentado revistaram a casa do suposto assassino, na localidade de Swabi, na província Fronteira do Noroeste.

A versão governamental da causa da morte da líder do Partido Popular do Paquistão (PPP) é de que ela bateu com cabeça na alavanca do teto solar do veículo no qual viajava, após cair empurrada pela força da explosão.

No entanto, o presidente Pervez Musharraf reconheceu ontem numa entrevista a uma rede de televisão americana a possibilidade de que Bhutto tenha sido morta a tiros, como afirma o PPP.

Uma equipe antiterrorista da Polícia de Londres chegou ao Paquistão na semana passada para ajudar os investigadores paquistaneses.

O Governo aponta os líderes islâmicos paquistaneses Baitullah Mehsud e Fazlullah como possíveis responsáveis pelo ataque. Mas o PPP suspeita que os serviços secretos estejam por trás do atentado.