Ex-marido de Betancourt acusa Uribe de jogo político

Agência EFE

BOGOTÁ - Fabrice Delloye, ex-marido da senadora franco-colombiana Ingrid Betancourt, seqüestrada pelas Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), acusou nesta segunda-feira o presidente da Colômbia, Álvaro Uribe, de fazer "um jogo político" com o caso do menino Emmanuel.

Na semana passada, fracassou a libertação da ex-colaboradora de Betancourt, Clara Rojas, e da ex-senadora Consuelo González, reféns das Farc.

Na mesma operação, a guerrilha libertaria o filho de Clara Rojas, Emmanuel, que, no entanto, foi apresentado por Uribe como livre e residindo há dois anos em um orfanato público.

- Tudo foi um jogo político, Uribe sabia há semanas da existência de Emmanuel - afirmou Delloye em entrevista coletiva em Genebra. - A palavra 'humanitário' não entra em seu vocabulário - afirmou o pai dos dois filhos de Betancourt, seqüestrada junto a Rojas em fevereiro de 2002.

Delloye considera que o mundo assiste a "um jogo de egos" entre Uribe e o presidente venezuelano, Hugo Chávez, que dirigia a suposta libertação das duas reféns.

No entanto, elogiou o trabalho de Chávez porque, a seu entender, pelo menos permitiu que a tentativa de libertação tenha sido possível e porque, com sua intervenção, foram obtidas "provas de vida" de Betancourt.

Ele culpou Uribe pela impossibilidade de alcançar um acordo humanitário com o grupo armado. "Uribe impede todo passo que se dê em prol de conseguir uma negociação que leve a um acordo humanitário".

- Tínhamos conseguido que a guerrilha se comprometesse a fazer uma troca humanitária entre os 46 seqüestrados políticos e 500 ex-guerrilheiros se fosse desmobilizada uma área de 800 km² durante 45 dias, e Uribe não aceitou os termos - acrescentou.

Delloye disse que é "falso" considerar Uribe um homem de bem, "é preciso apenas analisar sua vida". Ele então fez uma exaustiva descrição das relações que Uribe e sua família tiveram com os paramilitares.

O ex-marido de Betancourt admitiu que "erroneamente" acreditou em Uribe quando este se comprometeu a fazer o impossível para libertar os reféns, mas se deu conta de que estava errado ao constatar que o presidente colombiano impedia todas as mediações.

- Ele se mostrou inflexível - acrescentou. Para Delloye, a família está diante de uma "situação de emergência" devido ao precário estado de Betancourt, como ficou visível em fotografias distribuídas em novembro.

- Ingrid é o emblema, mas que os grupos de apoio lutam pela libertação de todos os reféns - ressaltou.