FHC diz que acordo estratégico UE-Brasil pode cair na retórica

Agência EFE

BRASÍLIA - O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso considera que o acordo estratégico assinado em julho entre a União Européia (UE) e o Brasil para desenvolver as relações bilaterais e o diálogo político pode cair na retórica.

Fernando Henrique disse, em entrevista publicada neste sábado no jornal "Público" que o acordo é positivo, mas que chegou tarde e que, depois do compromisso alcançado, veio uma fase de inoperância que não contribuiu para avançar em assuntos concretos.

- É verdade que é recente, cinco meses, mas ficou incompleto. Ainda não fizemos um esforço suficientemente claro e concreto que nos permita ter um mapa do caminho - disse.

O ex-presidente destacou que o processo também está condicionado pela "paralisação dos mecanismos integradores do Mercosul".

Fernando Henrique pediu que a UE estenda o programa Erasmus de intercâmbio de universitários ao Brasil, junto a novas iniciativas nos campos da ciência e da tecnologia.

Afirmou também que é positivo que um país como a Venezuela se una ao Mercosul, mas ponderou que, para dar esse passo, será necessário que as autoridades de Caracas cumpram as cláusulas democráticas exigidas pelo bloco sul-americano.

- Não estou, a priori, nem a favor nem contra a integração da Venezuela, considerando que o país se submeta às regras do Mercosul - disse.