Bush veta lei que possibilitaria ações contra regime de Saddam Hussein

Agência EFE

WASHINGTON - O presidente americano, George W. Bush, vetará um projeto de lei promovido pelo Congresso que previa um aumento no pagamento das tropas no Iraque, e abria as portas para ações contra o antigo regime de Saddam Hussein.

Segundo explicou nesta sexta-feira o porta-voz da Casa Branca, Scott Stanzel, esta lei poderia prejudicar a reconstrução do Iraque, ao gerar uma inundação de processos e o consequente congelamento de milhões de dólares em ativos no Iraque.

- Isto não favorece os interesses do Iraque, nem os dos Estados Unidos - disse o porta-voz.

Esta lei incluía a possibilidade de que soldados americanos que foram prisioneiros do regime de Hussein durante a Guerra do Golfo, possam pedir compensações nos tribunais.

Calcula-se que o Governo iraquiano tenha cerca de US$ 25 milhões em ativos retidos em bancos americanos.

Ao vetar a lei, a Casa Branca bloqueia ainda a proposta incluída nesta norma para aumentar o salário dos militares em 3,5%.

No entanto, o porta-voz esclareceu que boa parte desta alta, 3%, já está incluída em uma norma que entrará em vigor em 1º de janeiro, e que quando o Congresso retomar a elaboração da lei vetada, o presidente tratará da incorporação do 0,5 ponto percentual restante.

Os líderes da Câmara de Representantes e do Senado, Nancy Pelosi e Harry Reid, ambos democratas, criticaram a decisão de Bush, que joga por terra 'prioridades nacionais urgentes em matéria de segurança'.