Mubarak diz que ministra 'passou dos limites' ao criticar Egito

Agência EFE

CAIRO - O presidente egípcio, Hosni Mubarak, afirmou nesta quinta-feira que a ministra das Relações Exteriores israelense, Tzipi Livni, 'passou dos limites' ao criticar a atuação do Egito no combate ao contrabando de armas na fronteira com a Faixa de Gaza.

Mubarak fez tais declarações em uma entrevista ao jornal israelense 'Yedioth Ahronoth' que será publicada nesta sexta-feira e foi divulgada nesta quinta-feira pela agência oficial de notícias egípcia 'Mena'.

- Ao julgar publicamente a situação na fronteira em vez de ligar ou enviar uma carta ao Governo egípicio, Livni passou dos limites comigo - se queixou Mubarak.

O presidente egípcio advertiu que essa atitude 'ajuda a piorar o clima (bilateral), e as relações com Israel são muito importantes para nós'.

Mubarak disse que, se Israel não concorda com a maneira por meio da qual o Egito trata o contrabando de armas, seu país incentiva o vizinho a dizê-lo.

Mas o presidente do país africano acrescentou que, se os israelenses têm outro jeito de lutarem contra o contrabando, então que 'eles próprios busquem os contrabandistas'.

- O Egito nunca cooperará no tráfico de armas contra Israel nem contra nenhum outro país - acrescentou o presidente egípcio.

Perguntado sobre um vídeo enviado por Israel aos Estados Unidos que aborda o contrabando de armas para Gaza, Mubarak assegurou, embora não tenha assistido à fita, que a gravação 'é fabricada'.

O chefe de Estado egípcio disse que essas armas também representam uma ameaça para seu país.

- Quem pode garantir que as armas ilegais que confiscamos não eram para um atentado no Egito? - perguntou.

Diante de uma pergunta sobre a procedência das armas ilegais, Mubarak disse, segundo a agência 'Mena', que 'chegam pelo mar', mas não quis entrar em detalhes sobre isso.

O presidente egípcio disse ter muito que falar sobre o contrabando e sobre a origem das armas e da munição, mas não vai revelar tudo o que sabe para não afetar as relações entre Egito e Israel.

Limitou-se a dizer apenas que 'as armas ilegais na Faixa de Gaza chegam do norte, do sul, do Golfo e de lugares inimagináveis'.

O suposto contrabando de armas pela Faixa de Gaza foi o principal tema da reunião do ministro da Defesa israelense, Ehud Barak, com Mubarak na quarta-feira na cidade egípcia de Sharm el-Sheikh, no que foi uma das reuniões bilaterais mais difíceis dos últimos anos.