Uribe e chanceler colombiano enviam mensagens a seqüestrados

Agência EFE

BOGOTÁ - O presidente da Colômbia, Álvaro Uribe, e seu chanceler, Fernando Araújo, enviaram hoje mensagens a todos os seqüestrados no país, lembrando que o Governo tem feito todos os esforços possíveis para buscar o retorno dos reféns ao conforto de seus familiares.

"A todos os seqüestrados do país: Estamos fazendo todos os esforços possíveis para que vocês sejam devolvidos', disse Uribe à imprensa em Corozal (noroeste), departamento (estado) de Sucre.

O líder advertiu que 'nessa hora de dor pelos seqüestrados, não podemos titubear frente ao terrorismo', e assegurou que 'todos tem o dever de contribuir para que libertem os seqüestrados e também de evitar que o terrorismo cresça em sua capacidade de seqüestrar'.

Uribe lembrou que a Colômbia 'teve anos de três mil seqüestros', enquanto em 2007 os registros apontam para '222 ocorrências' do tipo, reconhecendo, no entanto, que esse último número 'ainda é muito alto', embora a 'redução tenha sido substancial'.

O ministro colombiano das Relações Exteriores, que foi refém das Forças Revolucionárias da Colômbia (Farc) por seis anos, até que conseguiu fugir, enviou também uma mensagem às centenas de pessoas que são mantidas reféns no país.

"Pensei tantas vezes enquanto estava seqüestrado que talvez nunca conseguisse sair, e cada vez que tinha um pensamento negativo, o coração me dava força, esperança e pensamentos positivos', declarou Araújo.

O chanceler ficou sob poder das Farc de dezembro de 2000 ao mesmo mês de 2006.

Araújo também disse que no Governo 'faz todo o possível para que (os seqüestrados) retornem em breve' a suas casas.