'Esqueçam de mim por muito tempo', diz Kirchner

Lucas Bergman, REUTERS

BUENOS AIRES - O presidente argentino, Néstor Kirchner, que, nesta segunda-feira, deixará o poder após cinco anos à frente do governo, disse neste domingo que vai passar para um segundo plano na cena política.

Kirchner entregará, nesta segunda, o mandato para sua esposa, Cristina, a primeira mulher eleita presidente por voto popular na Argentina, em uma inédita passagem de poder matrimonial.

- Esqueçam de mim por muito tempo. Deixarei a cena pública. Me dedicarei a pensar como armar a força política que quero. E darei algumas conferências no exterior - afirmou Kirchner ao jornal Clarín.

Cristina receberá o controle de uma economia em expansão, um desemprego de um dígito, grandes reservas no Banco Central e superávit fiscal e comercial.

- Ela teve muita incidência em meu governo, mas nunca saiu do segundo plano. Agora ocorrerá o mesmo, mas o segundo plano será meu - acrescentou o atual presidente.

Kirchner desistiu de buscar um segundo mandato, apesar de contar com uma importante aceitação popular, e preferiu deixar o espaço para sua mulher chegar à presidência, para a qual obteve 45% dos votos.

- Ela vai exercer uma liderança indiscutível. O tempo histórico a ajuda porque o pior da crise já passou. Vai construir uma liderança sobre qualidades políticas que eu não tenho - complementou Kirchner.