Putin sanciona lei que suspende tratado de armas europeu

REUTERS

MOSCOU - O presidente russo, Vladimir Putin, sancionou na sexta-feira uma lei suspendendo a participação do país em um importante tratado de armas do pós-Guerra Fria, uma manobra que permitiria ao governo da Rússia aumentar o tamanho de suas forças militares estacionadas perto da Europa Ocidental.

A moratória de Putin ao Tratado de Forças Convencionais na Europa (CFE) acontece depois de meses de uma série de declarações cada vez mais agressivas contra o Ocidente e antes das eleições parlamentares de domingo e do pleito presidencial de março próximo.

'O presidente Putin sancionou a lei federal que suspende o Tratado de Forças Convencionais na Europa', disse o Kremlin em um comunicado sucinto. O projeto de lei havia sido aprovado pelo Parlamento neste mês e precisava da sanção presidencial para entrar em vigor.

Os Estados Unidos, a União Européia (UE) e a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) conclamaram Putin a não suspender o CFE, considerado uma pedra fundamental do cenário militar europeu.

Mas o presidente russo, que tenta reavivar o prestígio do Kremlin depois do caos que se seguiu à queda da União Soviética, argumentou que os membros da Otan não tinham ratificado uma versão reformada do pacto e que continuavam realizando demonstrações de força perto da fronteira da Rússia.

A suspensão, que deve começar a vigorar na passagem do dia 12 para o dia 13 de dezembro, permitiria à Rússia intensificar sua presença militar nas fronteiras ocidental e do sul, apesar de generais russos terem afirmado que isso, por enquanto, não aconteceria.

Segundo pesquisas de opinião, a confrontação verbal com os estrangeiros apela a milhões de russos, que ainda anseiam pelo status de superpotência antes detido pela União Soviética.

Putin também vem criticando os EUA e a UE devido aos planos de construção de um escudo antimíssil na Europa e devido à proposta de independência para a Província sérvia de Kosovo.

Assinado em 1990 e atualizado em 1999, o CFE limita o número de tanques de guerra, peças de artilharia pesada, aviões de combate e helicópteros de ataque estacionados e armazenados entre o Atlântico e os montes Urais, na Rússia.