Reforma trabalhista divide oposição na Austrália

Agência EFE

SIDNEY - A proposta do primeiro-ministro eleito australiano, o trabalhista Kevin Rudd, de reformar as leis trabalhistas aprovadas pelo Governo anterior dividiu a oposição conservadora, que na quinta-feira deve eleger o seu novo líder.

Após a derrota de seu candidato, o ex-primeiro-ministro John Howard, a Coalizão Liberal busca um novo chefe.

As leis trabalhistas introduzidas por Howard, as 'Opções Trabalhistas' (Work Choices), foram em um dos assuntos mais relevantes da campanha do Partido Trabalhista. Rudd prometeu derrubar a legislação, considerada uma das principais causas da derrota dos conservadores.

Brendan Nelson, ministro da Defesa no Governo de Howard, admitiu a rejeição do eleitorado às Work Choices, mas opinou que o novo Executivo não deve modificar as leis que regulamentam a demissão improcedente.

O ex-ministro da Saúde Tony Abbott pretende utilizar a maioria conservadora no Senado para bloquear a reforma. Kevin Andrews, que chefiava o Ministério do Trabalho, chamou de 'loucura' a iniciativa dos trabalhistas.