Missão da OEA elogia eleições na Colômbia

Agência EFE

BOGOTÁ - A Missão de Observação Eleitoral (MOE) da Organização dos Estados Americanos (OEA), que supervisionou as eleições municipais e regionais de domingo na Colômbia, destacou hoje a participação no processo e transmitiu o elogio do secretário-geral da entidade, José Miguel Insulza.

A MOE disse em comunicado que "definitivamente, o balanço final da eleição mostra um progresso da democracia colombiana, que se expressa no aumento do voto nas zonas rurais", apesar de alguns problemas observados, como a compra de votos.

- A eleição manifesta a decisão da sociedade colombiana de superar a política do medo de grupos minoritários e ilegais -, acrescentou a nota da missão, dirigida pelo ex-chanceler argentino Dante Caputo.

O texto acrescentou que Insulza "elogiou a decisão com que a sociedade colombiana exerceu seu direito ao voto e enviou uma saudação à cidadania pela grande participação".

Segundo a MOE, "100% das mesas de votação observadas funcionaram corretamente" e "em 89% houve fiscais dos partidos políticos na hora do fechamento". Em 74% "foram atendidas as exigências relacionadas com a contagem de votos".

No entanto, a comissão alertou que "em 8% dos postos de votação observados se presenciou a compra de votos" e "em 4% houve evidência de ameaças e/ou violência a eleitores".

A delegação considerou que "a Polícia Nacional e o Exército ampliaram consideravelmente sua presença nos postos de votação ao longo do território em comparação com eleições anteriores".

- Houve atentados provocados com o objetivo de impedir o processo eleitoral, como no caso de Nariño, onde quatro municípios ficaram sem luz como conseqüência da explosão de torres de energia -, apontou o relatório.