Hariri denuncia planos para assassinar Fouad Siniora e ele

Agência EFE

CAIRO - O líder da maioria parlamentar do Líbano, Saad Hariri, disse nesta terça-feira no Cairo que as forças de segurança de seu país descobriram planos para assassiná-lo junto com o primeiro-ministro libanês, Fouad Siniora.

- Temos informações que confirmam esses planos. Nós estamos seguindo com precisão mediante os organismos de segurança com a colaboração de outros países árabes - ressaltou Hariri.

O dirigente político libanês fez a denúncia em entrevista coletiva, após ser recebido pelo presidente egípcio, Hosni Mubarak, informou a agência de notícias egípcia 'Mena'. Segundo ele, as ameaças não só foram dirigidas contra ele e Siniora, mas também contra outras figuras políticas libanesas.

Por outro lado, Hariri disse que Mubarak se mostrou claro e categórico em ressaltar sua rejeição a qualquer ingerência na eleição do próximo presidente do Líbano, que gerou uma crise política no país.

- O Egito considera que a intervenção nesse tema e tudo que afete a estabilidade do Líbano significa pôr em risco a segurança egípcia e a de todos os países árabes - disse o político libanês.

Hariri também se referiu à iniciativa levada a cabo do presidente do Parlamento libanês, Nabih Berri, destinada a conseguir um consenso entre as forças políticas pró e anti-sírias para escolher o sucessor do atual presidente libanês, Émile Lahoud.